terça-feira, 13 de março de 2012

Governo Desiste de Adotar nas Escolas Livros de Escritores Paraenses

Este blogueiro, como bom libriano, sempre esteve disposto a defender causas nobres e dignas. E se recebe um apelo contra algum tipo de injustiça então... 

Dessa feita essa "minha rua" abre espaço para deixar passar o desabafo do amigo e confrade Rufino Almeida, que com justa razão reclama contra a atitude do Governo Estadual, que não só desprestigia o escritor paraense como também desvaloriza a cultura paraônica, ao deixar de adotar autores paraenses nas escolas públicas estaduais. 

Esperamos que o Governo Estadual desenvolva projetos que contribuam, cada vez mais, para ampliar, nas escolas da rede, o gosto pela leitura das obras de escritores paraenses. Leia, abaixo, a mensagem encaminhada pelo Rufino. 

Caros Confrades Escritores e Poetas Paraenses.
           Tudo começou no Governo de Ana Júlia. No penúltimo ano do seu mandato, a SEDUC pela primeira vez na História da Cultura Paraense, comprou uma pequena cota de livros de editores paraenses e escritores independentes, nos pregando a ilusão de que a partir daquele ano seria uma prática anual do governo do estado. No último ano de governo, a SEDUC ignorou os autores nativos, mas comprou milhões de reais das grandes editoras do Sul e Sudeste. Entrou o Governo Jatene, prometendo que o que era bom do governo anterior teria continuidade no seu governo. No seu primeiro ano não comprou nenhum exemplar de livro paraense, mas comprou milhões de fora. Em dezembro de 2011 fomos convidados a nos cadastrar para a venda de até 300 livros. Foi uma correria para cumprir o praso para a entrega da papelada. Muitos escritores se endividaram junto às editoras. No dia 02 de março, o golpe traiçoeiro: O governo não tem dinheiro para comprar livros. Se o Governo Jatene não deu continuidade ao que Ana Júlia iniciou, é porque ele entende que livro de autores Paraenses não são boa coisa para os estudantes da rede pública.

          E agora, companheiros? Mergulhar no covarde silêncio da resignação ou elaborarmos um manifesto contra o governo que discorda de que um país se faz com HOMENS E LIVROS, conforme ensinava convicto, o Escritor Monteiro Lobato.
Um Abraço. Rufino Almeida. (Fotógrafo, Poeta, Escritor e Triatleta) 

Um comentário:

Anônimo disse...

Como escritor paraense, estou de pleno acordo com o colega Rufino de Almeida quando pede para que o governo do nosso Estado olhe para os trabalhos dos escritores da nossa terra e nos valorize em vez de valorizar os de fora.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum