sábado, 11 de dezembro de 2010

Como será a Próxima Guerra Mundial?

A revolução se dará pela Internet
Depois da II Guerra Mundial o físico Albert Einstein disse: "I know not with what weapons World War III will be fought, but World War IV will be fought with sticks and stones."* Isso porque ele não conhecia a Internet. Se conhecesse, provavelmente diria que a III Guerra Mundial seria cibernética; logo, a IV não poderia ser com paus e pedras. 
Mas, naqueles tempos não existia a possibilidade, sequer sonhada, da Internet. Nem se poderia prever o impacto que os computadores em rede e sua consorte, a Internet,  viria promover na sociedade humana a partir da décade de 1990. A Internt afetaria todas as formas de troca de informação e de interação social, fosse nas relações privadas e/ou profissionais, fossem culturais e/ou educacionais; bem como econômica, política, ideológica, religiosa. O poder dessa mídia cresce tão veloz e exponencialente que assusta e intimida governos e corporações. Eis porque há tantos grupos que querem controlar a Internet e deter esse poder em suas mãos. A começar pela criação de leis e punições para quem acessa bancos de dados  governamentais através da Internet e divulga informações sigilosas. 
 
 Ora, as ações dos governos não deveriam ser, TODAS, transparentes? Porque o cidadão contribuinte deve ser mantido no obscurantismo, recebendo apenas a ração de informações que o governo lhe destina? O papel da mídia é mostrar a verdade, é falar "com a língua reta". É contribuir para que todo cidadão possa encontrar a informação honesta e verdadeira num banco de dados universal. Mas isso ainda não acontece
 E é aí que entra a Web 2.0 e sua próxima geração, a web semântica, ou Web 3.0. Essa é a proposta do site WikiLeaks, que a meu ver é o precursor da Web 3.0 pré-semântica. Mas há interesses em não deixar que a verdade seja revelada, e  há grupos que tentam censurar a Internt, tentam engessar a Web, por grilhões nos pés de Mercúrio.
O principal alvo tem sido o site WL. Por isso que seu fundador, Julian Assange, foi perseguido e preso recentemente. O site tem recebido constantes ataques do governo norteamericano desde que começou a divulgar documentos sigilosos da diplomacia americana. Um dos mais impactantes desses documentos são os que envolvem a Guerra do Iraque. Um dos documetnos é um vídeo com cerca de 40 minutos, que mostra a morte de jornalistas da Reuters e  de cidadãos, inclusive uma criança, atingidos por uma metralhadora de 30mm ou 50mm, disparada de um helicóptero Apache. Aparentemente, eles confundiram o equipamento dos jornalistas com um RPG (lança granadas) e AK47!... 
É uma cena bárbara e violenta. Você pode ouvir a equipe do helicóptero trocando informações, recebendo a ordem da atirar, informando o número de  mortos,  trocando elogios pelo "belo tiro", etc. Depois, carros e soldados norteamericanos chegam ao local soldados e... percebem o erro. Há vários vídeos no Youtube com cenas tomadas do alto, dos Apaches,   mostrando puro e simples assassinato,  verdadeiras chacinas no Iraque, durante a invasão americana.

O ataque ao WikiLeaks é uma tentativa de impedir a divulgaçao dos fatos, e como se sabe, contra fatos não há argumentos. Hoje o site WikiLeaks tem mais de 1 mil de "mirrors", ou seja, sites espelhos. Além de milhares de milhares de defensores, apoiadores e internautas prontos a colaborar. O que está acontecendo com o WL pode ser o prenúncio de uma nova era da Web 2.0. Eis porque eu acho que a III Guerra Mundial será pela Internet. Não apenas uma guerra de informações, contrainformações, "leaks" etc, mas de ataque de harkers contra contas das mega corporações que financiam e se beneficiam com as guerras;  contra os bancos de dados de governos e insdústrias. Imagine a destruição dos bancos de dados da Bolsa de  Valores norteamericana, japonesa, européia e mesmo brasileira, que estragos não provocaria.

As armas nucleares poderão ser usadas numa III Guerra MUndial, também armas químicas, biológicas e radiológicas, mas se acontecer uma desativação desses mecanismos por intermédio de acesso aos seus bancos de dados; se acontecer um embaralhamento ou uma desarticulação dos sistemas de informação que alimentariam essa guerra, tais armas ficariam inúteis sucatas. Rogo por isso.

Este blog se alia na defesa dos interesses de uma Web livre, e no apoio ao WikiLeaks e seu fundador.
* Não sei como será a III G. Mundial, mas a IV será com paus e pedras
Leia Hackers assumem bandeira do WikiLeaks para iniciar 1ª 'Guerra da Informação' AQUI

2 comentários:

Marcelo Carvalho disse...

Como a força nunca foi o meu forte, não sei brigar e não tenho nenhuma arma letal, acho que esta guerra poderia ser o único local em que eu poderia ser pelo menos um combatente razoável. Empunhando o meu blog, em uma guerra imaginária ou não, defenderia as forças democráticas e demostraria meu desprezo por qualquer forma de controle da web.

Aí Franz, convoque seu exército, tu e o Cavalcante como os blogueiros pioneiros seriam os comandante-em-chefe!

Um abraço,

Marcelo Carvalho

Franz disse...

Caro amigo Marcelo, fazemos nossa parte, sem dúvida.
Nossos blogs são trincheiras no combate contra a falta de ética, a demagogia, a corrupção, a ignorância,a politicalha, a mentira, intolerância e prepotência etc.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum