terça-feira, 8 de abril de 2008

Softwares educativos e objetos de aprendizagem ou aulas com discurso, quadro e giz? A escolha é sua, Professor!

Texto adaptado do original, publicado na apostila do Curso de Linux Educacional 2008, do Núcleo de Informática Educacional-NIED/Belém.

É condição indispensável para lidar com o paradigma educacional emergente ser um professor com espírito reflexivo, criativo e pesquisador. Franz.

Diante das novas configurações de mercado e das interações sócio-culturais desencadeadas pelas tecnologias da informação e comunicação (TIC), com ênfase nas mídias baseadas em rede de computadores, o modelo de escola vigente encontra-se em uma posição incômoda: de um lado sustenta uma arcaica estrutura fracassada e desinformadora, que finge ser formadora de cidadãos críticos e participativos; de outro, pretextando acompanhar a modernidade, tenta adotar novas maneiras de pensar e de conviver na sociedade do século XXI a partir da inclusão da Informática no chão da escola. Essa postura conservadora ante o inevitável avanço das TIC no processo educativo é danosa para o projeto político-pedagógico da escola, pois muitas vezes o uso da sala de informática está muito distante de seu caráter pedagógico.
De acordo com as teorias sócio-construtivistas de Piaget, Vigotsky, Ausubel e outros, a tecnologia Informática apresenta uma gama de recursos capaz de contribuir para transformar a escola num espaço que privilegia a construção colaborativa de conhecimento e a relação professor-aluno, enquanto oportuniza ao professor oferecer uma aula mais dinâmica e produtiva, ao mesmo tempo em que amplia as oportunidades para o aluno apresentar uma performance maior como aprendiz. Sem falar que tende a desenvolver algumas das inteligências múltiplas apontadas por Howard Gardner. Porém, um dos grandes problemas para quem lida com a informática aplicada a educação é a seguinte questão: como associar um rico conteúdo didático a um programa que ensine e divirta ao mesmo tempo?
Isso exige conhecimentos que vão além da formação tradicional do professor, e para os quais as próprias Universidades ainda não estão preparadas. Eis porque a formação continuada é tão importante e necessária! Nessa perspectiva surgiram os programas de caráter didático-pedagógico, como os Softwares Educativos e Objetos de Aprendizagem.

Softwares ou Programas Educativos

Um “software educacional deve ser conceituado em referência à sua função, e não à sua natureza” (leia o original), mas de forma geral, podemos considerar software educativo todo programa de computador que utiliza uma metodologia que o contextualize no processo ensino-aprendizagem. Porém, há aqueles criados para outros fins que acabam servindo aos propósitos pedagógicos como, por exemplo, o editor de texto e a planilha eletrônica.
Por outro lado, um objeto de aprendizagem(OA) pode ser considerado "qualquer entidade, digital ou não digital, que possa ser utilizada, reutilizada ou referenciada durante o aprendizado suportado por tecnologias" (esse é um conceito muito amplo que ainda está em construção), mas nessa perspectiva podemos afirmar que todo software instrucional é um objeto de aprendizagem.
Na Wikipédia lemos que: “Um objeto de aprendizagem pode ser usado em diferentes contextos e em diferentes ambientes virtuais de aprendizagem, para atender a esta característica, cada objeto tem sua parte visual, que interage com o aprendiz separada dos dados sobre o conteúdo e os dados instrucionais do mesmo. A principal características dos objetos de aprendizagem é sua reusabilidade, que é posta em prática através de repositórios, que armazenam os objetos logicamente, permitindo serem localizados a partir da busca por temas, por nível de dificuldade, por autor ou por relação com outros objetos”.
Noutro site (acessado em 12/04/2007), encontramos que há diferentes modalidades de classificar os softwares usados em educação, uma delas é apresentada por como Tutor, Ferramenta e Tutelado: Como Tutor, o computador dirige o aluno, desempenhando praticamente o papel do professor. Esta modalidade foi e ainda é bastante utilizada e desenvolveu-se a partir dos pressupostos da Instrução Programada. Como Ferramenta os alunos aprendem a usar o computador para adquirir e manipular informações, utilizando muitas vezes softwares de uso genérico em outras áreas, como: processadores de texto, planilhas, banco de dados, etc. Já na forma Tutelado seriam classificados os softwares que permitem ao aluno ensinar o computador.
Outra classificação considera alguns softwares enquadrados em dois modelos: Tutorial e Exercício-e-Prática. No primeiro, o aluno recebe informações sobre o tema e segue linearmente as instruções até obter resultados pré-estabelecidos, geralmente em termos de certo ou errado. O segundo se caracteriza por apresentar uma seqüência de exercícios com respostas imediatas cujo objetivo é a fixação de conteúdos, ou seja, meros exercícios num “livro digital”, algo como o antigo “arme e efetue”.
Ao desenvolver atividades pedagógicas com suporte computacional, é recomendável trabalhar na perspectiva de projetos, que nos parece melhor possibilitar a ocorrência do ciclo “descrição-execução-reflexão-depuração”, descrito por Valente (1993) como um conjunto de ações que o aluno realiza na aquisição de novos conhecimentos, e acontece quando diante de um problema ele descreve o que pretende fazer para resolvê-lo, executa esses passos ou planejamento, reflete sobre dos resultados obtidos, busca novas informações para melhorar ou depurar os resultados, finalmente faz nova descrição. O ciclo se repete cada vez que ele rever a ação.

A proposta desse pequeno texto é oferecer uma visão introdutória sobre classificação e características de softwares educacionais e objetos de aprendizagem, instrumentalizando o leitor para que possa empregar as tecnologias baseadas em artefatos computacionais em suas atividades de ensino-aprendizagem. Contudo, é importante registrar que nenhum software educativo ou objeto de aprendizagem pode ser considerado, por si só e em termos absolutos, didática e pedagogicamente bom. É a maneira como o professor irá empregá-lo que determinará a exploração de todas as suas potencialidades pedagógicas e seus efeitos na superação das dificuldades de seus alunos.

10 comentários:

Márcia Alves disse...

Pois então Franz, é essa pergunta que não quer calar.
??????
Com todos esses materiais didáticos tecnológico chegando às escolas, o que os professores tem feito para mudar a forma de ensinar e aprender? E o que os alunos estão levando para o seu aprendizado?
Abraços
Márcia Alves

Márcia Alves disse...

Pois então Franz, é essa pergunta que não quer calar.
??????
Com todos esses materiais didáticos tecnológico chegando às escolas, o que os professores tem feito para mudar a forma de ensinar e aprender? E o que os alunos estão levando para o seu aprendizado?
Abraços
Márcia Alves

Paulo Cesar disse...

Olá indicarei essa leitura aos acadêmicos da disciplina de Novas Tecnologias e Mídias do curso de Pedagogia.

Paulo Cesar disse...

Recomendarei essa leitura aos acadêmicos do curso de pedagogia.

Unknown disse...

Já tive oportunidade de ver como os OA contribuem positivamente para a melhoria da aprendizagem de alunos com dificuldades diversas de aprendizagem. Recentemente usei o mais simples e fácil de ser encontrado: o word. Meu aluno tinha muita dificuldade em juntar as letrinhas e formar as silabas. Digitando no word ele aprendeu tudo e está lendo quase perfeitamente. Sou fã dos OA e espero que sejam cada vez mais difundidos nas escolas.

Unknown disse...

Já tive oportunidade de ver como os OA contribuem positivamente para a melhoria da aprendizagem de alunos com dificuldades diversas de aprendizagem. Recentemente usei o mais simples e fácil de ser encontrado: o word. Meu aluno tinha muita dificuldade em juntar as letrinhas e formar as silabas. Digitando no word ele aprendeu tudo e está lendo quase perfeitamente. Sou fã dos OA e espero que sejam cada vez mais difundidos nas escolas.

BIANCA TEODORO disse...

Eu sou a favor de introduzir softwares educativos nas aulas,para as mesmas se tornarem mais interessantes e dinâmicas, mas sei da dificuldade que é de colocar isso em prática, pois sabemos dos desafios que os professores enfrentam nas escolas, principalmente pela falta de recursos físicos e de estrutura.

BIANCA TEODORO disse...

Eu sou a favor de introduzir softwares educativos nas aulas,para as mesmas se tornarem mais interessantes e dinâmicas, mas sei da dificuldade que é de colocar isso em prática, pois sabemos dos desafios que os professores enfrentam nas escolas, principalmente pela falta de recursos físicos e de estrutura.

Anônimo disse...

Eu sou a favor de introduzir softwares educativos nas aulas,para as mesmas se tornarem mais interessantes e dinâmicas, mas sei da dificuldade que é de colocar isso em prática, pois sabemos dos desafios que os professores enfrentam nas escolas, principalmente pela falta de recursos físicos e de estrutura.

Camila Oliveira disse...

Cabe aos educadores ampliar seus conhecimentos e utilizar essas ferramentas no cotidiano contextualizando conteúdos em que os alunos tem dificuldades, penso eu que este seja um bom exemplo.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum