quarta-feira, 3 de março de 2010

Um Novo Xingamento na Língua Brasileira?

Você sabe qual o maior palavrão da "última flor do Lácio, inculta e bela" (vide Olavo Bilac) ? Se pensou no acadêmico "Pô...!", no ecumênico "É fod..!", no clássico divisionista "Filho da...!", no sonoro e hiperlativo "Caral...!", no top(roct)ológico "Vá tomar no...!" ou no delivery "Vá pra P...quiuspariu!", devo dizer que se enganou (embora concorde que você manda bem no palavrão, heim!).

Ah! E aqueles palavrões menos verborrágicos que infestam as letras de Funk, de Hip-Hop e gritos de guerra de torcidas organizadas em jogos decisivos? Errou de novo, e passou longe, caro amigo/a. O maior palavrão já dito por um brasileiro não é um xingamento, mas uma palavra de 46 letras que, segundo meu Houaiss, identifica o indivíduo que sofre de uma doença pulmonar provocada por inalar cinzas vulcânicas: Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico.  

E o que isso tem a ver com essa postagem? Respondo: é que hoje vou falar de palavrões que são xingamentos, ofensas. E antes que me pergunte se é desses palavrões que estamos acostumados a ouvir no trânsito, numa discussão de rua ou durante uma partida de futebol, vou logo dizendo que não. Mas desses que estamos ficando acostumados a ouvir justamente onde se espera que haja exemplos de bons modos, de educação, cortesia, auto-controle, ética, diplomacia: nas plenárias das casas do Legislativo tupiniquim.

Você já observou como é, muitas vezes, escandaloso o tratamento anti-ético entre alguns vereadores, deputados e senadores quando discutem em plenária seus pontos de vista? Principalmente se o foco da discussão é o orçamento e a defesa de suas emendas ou projetos milionários.

A troca de insultos, xingamentos, tabefes, socos outros "elementos de reforço de discurso" se tornaram rotina nas sessões das três esferas do nosso Legislativo que até me parece ser uma nova linguagem de alguns insignes parlamentares discutirem o futuro do país, ou os graves problemas de estado ou município.

Lógico que falar palavrão é coisa do nosso cotidiano, e é uma prática milenar. Inclusive há estudos acadêmicos (Escola de Psicologia da Universidade de Keele-Inglaterra), que comprovam que falar palavrão pode até aliviar uma dor física. Mas ninguém gosta de ser xingado, ser ofendido, mesmo se for merecedor.

"Canalha", por exemplo, já não é palavra forte o suficiente. É uma expressão tão corriqueira entre os parlamentares que já não causa o impacto esperado. Acho até que o povo não considera "canalha" ofensa grave para um político, afinal tantos são os canalhas eleitos e/ou reeleitos.

Eis pois que, faz algum tempo, encontrei no blog "Fenixando", da Sueli, uma administradora de empresas de São Paulo, uma proposta sui generis: adotar o "Vossa Excelência", pomposo pronome de tratamento entre parlamentares, como o mais novo palavrão, a mais nova ofensa da língua brasileira. Segundo Sueli "seria um “vossa excelência” usado como substantivo e não como pronome. Tipo assim: Aquele fulano é um “vossa excelência”! ou “Oh, seu “vossa excelência” você me paga!” ... rs."

É claro que isso tudo é uma grande brincadeira, mas vou acrescentar o "Vossa Excelência" ao meu Acervo Brasileiro de Altos Insultos, Xingamentos e Ofensas -ABAIXO, uma espécie de dicionário de palavrões que, por diversão, estou montando.

Mas pense nisso na hora em que for votar nas próximas eleições, afinal você não vai querer eleger um canalha nem um grande "vossa excelência". Ou vai?.

5 comentários:

Ava disse...

Parabéns!

Voce faz valer a pena ler!

Quando nos deparamos com um texto assim, tomamos consciência de quão inconsequentes nos somos na hora votar...


Bjs

lucidreira disse...

Dou um voto de veracidade no todo do texto, brasileiro não sabe mesmo colocar um "vossa ecelencia" lá nus representando.
Muito bom.
Parabéns

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Franz

Infelizmente, os nossos atuais políticos "Vossas Excelências" são um bando de "safados". E olha que chama-los de safado é muito pouco.
Mas a raiz do problema está no nosso povo, que ainda não aprendeu a votar.

Gostei muito do texto e vou levar essa ideia adiante!

Ah... Hoje eu recebi o prêmio pelo correio. Gostei muito! Aguarde que em breve irei enviar a foto e também fazer uma postagem lá no meu blog.

Um grande abraço aqui deste Rio de Janeiro chuvoso e frio...

Alexandre R Soares disse...

Receio que suscitará amplo debate no Congresso. Em especial na comissão especial de parlamentares a discutir se o substantivado "vossa excelência" terá ou não hífen à luz das novas normas ortográficas.

Franz disse...

1- AVA, muito grato pela visita. Eu, sincerametne, me esforço em postar algo que valha a pena ser lido, ainda que sejam poucos os meus leitores.

2 - LuCIDEIRA, tb agradeço pelo voto dado ao texto. O brasileiro está aprendendo a votar, mas isso só será realmente efetivado no dia em que o voto for um DIREITO e não uma obrigação.

3 - ADILNALZIR, discordo de vc quando diz que nossos politicos são uns "safados". Safados são os que votam neles, não acha? Afinal, quem vota em safado não pode se arrepender. E vamos propagar essa idéia.
Ah! Fico imensamente contente por ter gostado do Prêmio da promoção de aniversário deste Blog.

4 - ALEXANDRE, gostei dessa sua observação. Eu fic aria contente se essa questão acabasse provocando algum resultado entre nossos políticos.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum