quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Imagens Iguaçuanas: Colégio Afrânio Peixoto


No início da década de 1960 eu e Kisnat, meu irmão, fomos estudar o Primário no Colégio Iguaçuano, que ficava do outro lado da estrada de ferro. Para chegar lá a gente atravessava a Praça da Liberdade, um retângulo estreito, passando diante do Cine Verde, subia a escadaria da estação de trens, percorria a passarela e descia pela esquerda ou direita, conforme o caso. A escada da estação ficava entre uma padaria e o famoso Bar OK. Famoso (segundo disse meu pai) por ser nele que surgiu a expressão "a cobra vai fumar", símbolo da FEB, as Forças Expedicionárias Brasileiras na II Grande Guerra.
1961 - Eu e Kisnat, com uniforme do Colégio Iguaçuano, na antiga Rua 13 de Maio.  O prédio á esquerda era do INSS 

Defronte do OK havia, na outra esquina, outro bar e bilhar (acho que se chamava Elite) e uma banca de jornais do Rico, que mais tarde teria outras bancas e uma livraria e papelaria, onde meu velho comprava nosso material escolar.

Acho que da metade da década de 1960 para o final,  meu pai (Waldick Pereira) foi o secretário do Colégio Rui Afrânio Peixoto (Nova Iguaçu-RJ). Eu, meu irmão Kisnat e minhas irmãs Sandra e Margot Lane estudamos lá. No Afrânio comecei o Curso Ginasial. Foi o colégio que mais gostei, que mais marcou minha lembrança, e onde tive a primeira namorada.

O COLÉGIO RUI AFRÂNIO PEIXOTO

O querido e saudoso Prof. Rui Afrânio Peixoto, diretor e dono do colégio, estava sempre com uma bata impecavelmente branca, com seu nome gravado no bolso sobre o coração. Solene como manda o figurino. Além de amigo de meu pai era também padrinho do Kisnat, e  nos recebia sempre com muito carinho. Aliás, ele tratava a todos os alunos com afeto e atenção. A gente reverenciava sua figura austera, porém bondosa, que víamos todos dos dias no recreio, sentado em seu posto estratégico entre os dois pátios.

Ah! Naquele tempo e naquele colégio, meninos e meninas estudavam em salas separadas e tinham recreios separados. Havia o pátio dos alunos, acima e o das alunas, num nível mais abaixo, que era ao mesmo tempo quadra de futebol, vôlei e basquete. Cada um com sua cantina. Separando-os apenas um muro baixo e os degraus da arquibancada, do lado das meninas. De onde estava o Diretor podia observar toda área das duas quadras e vigiava o recreio dos alunos, como um guardião. Eu sempre tive por ele um profundo respeito e admiração.

A primeira biblioteca que entrei foi a da casa do Prof. Rui. A residência, uma construção em dois pavimentos, era edificada no terreno do próprio colégio, à esquerda do caminho. Para mim a casa era enorme, soberba e imponente. Na frente uma varanda em forma de "L" com arcos e colunas. A gente subia por uma escadaria larga, enorme (quando somos criança as distância e espaços parecem maiores do que realmente são).

Me lembro de um pequeno gabinete, onde o Prof. Rui possuía sua estação de radioamador (PY). Dali modulava com o mundo. Ele também gostava de falar com as turmas, mesmo durante as aulas. O colégio possuía um sistema de som com pequenas caixas, que ficavam em cada sala, acima do quadro negro, próximo ao teto. Pelas caixas ele ouvia tudo que acontecia na sala e, ás vezes, se comunicava com a turma. às vezes ouvíamos uns chiados vindos dela, e sabíamos que ele estava na escuta. Então, ficávamos em silêncio, ou quase.

INDO PARA O COLÉGIO

A gente morava numa vila, na antiga Rua 13 de Maio (atual Av. Dr Luiz Guimarães) - que hoje só existe na minha lembrança. Todos os dias percorríamos a 13 de Maio, passando defronte de uma grande horta (que ocupava a área por baixo das torres e fios da Light; hoje passa a Via Light). No outro lado da rua ficava o prédio da Light, onde pagávamos a conta de luz, e mais adiante o Instituto Rangel Pestana, e mais além a velha estação rodoviária.

Dobrávamos á direita na Amaral Peixoto. Nessa esquina, no prédio particular de 3 andares que ainda está lá, em 1970 seria instalado o Instituto Histórico e Geográfico de Nova Iguaçu-IHGNI (fundado anos antes pelo meu pai e vários amigos, como o prof. Ney Alberto G. de Barros, o já citado Rui Afrânio, Zanon de Paula e outros que não lembro) e a Assessoria de Museu e Patrimônio Histórico da Prefeitura, numa sala do 2ª andar (o terceiro andar seria ocupado pela Secretaria de Educação da Prefeitura).

Na Amaral Peixoto passávamos em frente da antiga loja de roupas DUCAL (Ducal=DUas CALças), dobrávamos na Travessa Martins e desembocávamos na Praça da Liberdade,  - quase sempre meu pai parava na banca de jornais do Rico. Daí seguíamos pela Floriano Peixoto até a catedral, onde atravessávamos a cancela da estrada de ferro bem em frente (anos depois fariam uma passarela no local). Subíamos a Dr. Timbau, a Abílio Augusto Távora e, depois de percorrer mais de 3 km, chegávamos no colégio Afrânio Peixoto, na base do morro.
Subindo para o Colégio Rui Afrânio Peixoto
Entrávamos no colégio subindo uma ladeira (foto by Google) calçada de paralelepípedos. Passando do portão havia à esquerda um local onde deixávamos nossas carteirinhas de estudantes, que naquela época mais parecia um pequeno caderno de anotações. Dali eram levadas para a secretaria e devolvidas no final da aula com o carimbo de PRESENTE no dia correspondente.

A gente seguia subindo em direção as salas de aula. Havia muitas árvores e muitos passarinhos, no enorme terreno da escola. Uma das atividades que os professores de arte passavam era construir casinhas de passarinho. Essas casinhas eram depois penduradas nas árvores mais próximas da área central do colégio. No início de 2000 fui rever o Colégio e visitar o velho Prof. Rui. Continuava com sua indefectível bata branca, o nome gravado no bolso superior esquerdo, a mesma simpatia e desejo de ensinar: me ensinou a reconhecer as notas musicais usando a mão fechada e os nós do punho, mas já esqueci.


12 comentários:

LUIZ CARLOS QUERINO DA COSTA disse...

Esse seu relato do seu trajeto para o Colégio Afrânio Peixoto assim como o do colégio, me fez fazer uma viagem no tempo, pois estudei também no Colégio Afranio Peixoto na década de 60, inclusive fazendo parte da Bande de Música. A respeito o Professor Waldick Pereira era professor de Química na época ?.

Franz Kreuther Pereira Pereira disse...

Luis Carlos, fico contente que minhas reminicencias tenham despertado as tuas. Obrigado pela visita.

Nilo Leal disse...

Eu estudei lá na década de 60 e até pouco tempo atrás ainda sonhava com o CAP (Cavalo anda pastando...rsrsrsrs)
Encontrei seu Mello o inspetor anos depois no Instituto Brasil quando fiz o Científico.
Lembro da Professora Rosinha, Alice e a última que tive a Dª Zezé que tinha fama de "braba" e se mostrou um doce.
Ah Saudades! Obrigado!

Franz Kreuther Pereira Pereira disse...

Nilo, obrigado pela visita e comentário. Dos professores me lembro bem de Ferenk (inglês), Zezinho(acho que geografia),...

Wagner Corrêa disse...

Nossa fiquei muito emocionado! O Colégio Afrânio Peixoto me marcou muito! Foi uma infância maravilhosa com um mega ensino de qualidade, e sim lembro do Professor Ruy, que figura incrível e que sabedoria!

LILIA HATOUM disse...

VOLTEI NO TEMPO! ESTUDEI LÁ NA DÉCADA DE 60, TINHA UMA PROFª CHAMADA D.IRACEMA (GEOGRAFIA)QUE IMPLICAVA COMIGO POR SER CANHOTA.
A DESCRIÇÃO DO ROFº RUI É PERFEITA.
O FRANZ ME LEMBROU DO FERENK(

LILIA HATOUM disse...

Voltei no tempo! O Profº Rui com seu jaleco branco e mãos para trás,Profª Iracema (geografia)que implicava comigo por ser canhota.
Seu Mello,inspetor...
O Júlio filho do Profº Rui e casou com uma amiga minha,Rosane.
Eu morava na rua atrás do colégio,rua Dr.Timbau.

LILIA HATOUM disse...

Voltei no tempo! O Profº Rui com seu jaleco branco e mãos para trás,Profª Iracema (geografia)que implicava comigo por ser canhota.
Seu Mello,inspetor...
O Júlio filho do Profº Rui e casou com uma amiga minha,Rosane.
Eu morava na rua atrás do colégio,rua Dr.Timbau.

Franz Kreuther Pereira Pereira disse...

Lilia, fico feliz por ter contribuído com minha postagem para reviver um passado em comum.

Franz Kreuther Pereira Pereira disse...

Também lembro do filho do Prof. Rui. Não lembro da moça que ele namorava, mas lembro que ela morava na 13 de Maio, onde eu também morava.

Luz Pacheco disse...

Minha escola linda e querida, fiquei muito triste quando soube que seria demolida. Estudei lá nos anos 70, . Lembro me bem do professor Rui, sempre muito elegante, professor Neo de matemática, professora Georgina( sempre a vejo em Nova Iguaçu).Amava sentar no laguinho , ir para o teatro, e jogar xadrez. Muitas saudades sim.

Libni Oliveira Moutinho disse...

Boas lembranças. Estudei em 1976 1977. Fiz o curso de Eletrônica. Prof Georgina. Prof Jorge. Prof Adalberto de Educação física. É uma pena que tudo acabou.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum