segunda-feira, 19 de abril de 2010

Faz mal decorar a lição?

Eu não sou do tempo da palmatória, nem de pôr chapéu de burro, nem de ajoelhar no milho de cara para a parede. Mas sou do tempo em que o castigo era ficar depois da aula escrevendo 1000 vezes no caderno alguma frase do tipo: “Não devo colar na prova!” ou “Devo respeitar os colegas!”. Não sei se funcionava, mas raramente alguém ia para a Direção por indisciplina. Enquanto hoje...

Sou do tempo que alunos levantavam quando o professor (ou uma visita) entrava na sala, e durante a aula todo mundo ouvia calado o que ele dizia, anotando no caderno tudo que escrevia no quadro. Sou do tempo da tabuada, do caderno de caligrafia e da famigerada prova oral. Do tempo em que havia questionários com dezenas de perguntas, às vezes 100, que a gente respondia (e tentava decorar) porque iria cair na prova (principalmente de Geografia, História). Aprendi a fazer contas de cabeça, a desenhar o mapa do Brasil, com os estados, idem; era bom na leitura e nunca esqueci a fórmula de Báskara.


Hoje, a pedagogia mudou muito, evoluiu, não exige que o aluno memorize mas que compreenda, que construa conceitos e significados, contudo, ainda não entendo como um aluno chega ao ensino médio sem saber realizar contas de multiplicar/dividir por dois ou três números e a escrever com coerência e de forma legível. Como todo educador atual condeno uma educação baseada na memorização, na mecanização, na decoreba pura e simples, mas acho que o exercício de memorizar, de ler a mesma coisa várias vezes, pode exigir algum esforço intelectual e, até, levar o aluno a entender/compreender aquilo que lê. E, uma vez construído o conceito, que mal faz  decorar?

NOTA:  Etmologicamente, decorar não tem nada a ver com "trazer na mente".  Decorar vem do latin "Cord"= coração. Decorar é trazer no coração.

4 comentários:

Prof. Adinalzir disse...

É, meu caro amigo Franz!

Hoje os alunos não estão decorando e estão sabendo cada vez menos. :-(

Taí... Gostei do Etmologicamente, onde o ato de Decorar é trazer no coração. Quem sabe não é isso que está faltando nas nossas autoridades educacionais?

Abraços aqui deste Rio de Janeiro, cheio de sol!

Franz disse...

Eu, sinceramente, não defendo a decoreba, apenas sugiro que se encare como mais um recurso auxiliar de fixação de alguns conteúdos, após compreendidos. Acho que não acontece aquele negócio de "entrou por uma orelha e saiu pela outra", até porque, nem que seja por atrito alguma coisa deve ficar, não é? (Rsss!!!...)
Franz

LÉA PARAENSE SERRA disse...

Acho que a "decoreba" tem sua importância quando o conteúdo "faz sentido", "tem significado" para o dia-a-dia. Então, jamais se esquece.

Saudações paraenses!
Léa.

Max Martins disse...

Olá, professor!

Interessante essa questão.
Por experiência posso dizer que decorei muita matéria e por intermédio desse processo, incorporei muitos conhecimentos. De tanto ler, reler, decorar, acaba interiorizando e me apropriando do conhecimento.
Na minha opinião, é uma forma válida como saída para algo que não compreendemos de início.

Um forte abraço!

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum