terça-feira, 19 de janeiro de 2010

O Blog e a identidade da escola

O planejamento pedagógico em tempos de educomunicação

Começo de ano é também o começo da jornada pedagógica para milhares de pais, alunos e professores. Se de um lado os pais se entregam ao cansativo e dispendioso processo de matrícula, compra de material escolar etc, os professores iniciam o trabalhoso processo de planejamento pedagógico. E planejar o trabalho pedagógico é, de todos, o mais significativo momento do processo educacional.

Nesse momento, é fundamental ter em mente o papel das Salas de Informática-SI como ambientes tecnológicos de aprendizagem colaborativa; dos computadores em rede, como poderosas ferramentas pedagógicas, e das Tecnologias da Informação e Comunicação-TIC como auxiliares na formação crítica e participativa do sujeito social.

Assim, ao se prepararem para o planejamento, ou para a elaboração do Projeto Político Pedagógico-PPP da escola, a comunidade pedagógica (professores, gestores e técnicos) deve, por dever de ofício, estar atenta para o papel da Informática no processo de construção de conhecimentos.

Nesse cenário, destacamos os Blogues como um dos catalisadores do processo educativo, graças a sua versatilidade e possibilidades multi-inter-transdiciplinares. Mas, ao contrário do que muitos pensam, os blogues não são ferramentas de educação. Os blogues são ferramentas de educomunicação, ou seja, os blogues são formas de educar através de recursos multimidiáticos capazes de integrar a formação escolar, baseada em conteúdos disciplinares, com uma proposta de reflexão e intervenção social a partir da análise, produção e socialização da informação.

Planejar resistindo à modernidade

Para usar os blogs nessa perspectiva é preciso, antes de tudo, que o educador abandone a práxis tradicional e amplie seus horizontes conceituais e didático-pedagógicos. É necessário desenvolver novas habilidades e competências para empregar as TIC na transmissão de conteúdos de sua disciplina. Entretanto, durante a formação inicial a Academia não ofereceu formação nessa área, e muitos professores tendem a manifestar uma certa resistência à essa ferramenta. E à mudança comportamental que ela exige...

Talvez por isso muitos professores considerem o planejamento pedagógico como uma obrigação anual onde devem, apenas, preencher um documento exigido pela direção da escola. E em muitos casos ele é uma cópia do anterior.

Todo planejamento é um trabalho de reflexão e de elaboração de ações para resolver as dificuldades enfrentadas ou vindouras. Mas, ao voltar as costas para o potencial educomunicativo da Internet e das ferramentas virtuais de interação e criação de comunidades, como blogues, podcasts (rádio digital), Twitter, facebooks, por exemplo, o planejamento pedagógico da escola não somente mostra-se acrônico, defasado e deficitário de recursos, como também surdo e cego aos gritos e sinais da modernidade. Esse planejamento não atenderá aos objetivos da escola, não satisfará os alunos e nem contemplará as necessidades da sociedade do século XXI.

13 comentários:

arajodesousa disse...

Realmente professor, o senhor está coberto de razão, mas não podemos deixar de observar que nem todas as escolas publicas de nosso Pará, principalmente as do interior, têm a oportunidade de contar com essas TICs das quais o senhor tanto fala. muitas vezes temos que planejar diante das nossas possibilidades e realidades. Mas com certeza num futuro bem próximo já faremos nosso planejamento observando essas tecnologias e recursos da internet.
Um abraço.
Ray Sousa

Tati Martins disse...

Oi, Franz!
Estou chegando de viagem e começando a colocar a vida em dia. Li seu comentário em meu blog e adorei saber que vc gostou de meu texto Idade Media X Idade Midia. Use-o como desejar.
Quanto a esta sua pPostagem, concordo plenamente com você. Temos de fazer uso das mídias digitais e inseri-las urgentemente nos planejamentos. Gostei da sua visão sobre o uso de blogs. Eu estou cheia de ideias.
Um beijinho,
Tati

Roseli disse...

Oi Franz,
Ótimo retorno e início de atividades escolares. Concordo com o que você expõe nesse texto. Aqui mesmo no colégio onde trabalho, no meio de tantas tecnologias, observo os professores perdidos sem saber o que fazer. É preciso correr para não perder esse trem da modernidade. E, é claro, usando-a sempre em prol do aluno e sua aprendizagem. Gostei do visual do blog. Não sei se é novo pois fazia um tempão que não passava por aqui.
Abraço,

ericsiqueira disse...

Coloquei a matéria no blog da escola, com sua devida permissão, pois esse debate é fundamental.

Suzana Gutierrez disse...

Oi Franz

O planejamento tende a ser uma obrigação porque, muitas vezes, ele é colocado como tal e minimizado como um procedimento burocrático apenas. Nestes casos, não existe nem espaço e nem tempo para refletir e planejar de forma transformadora.

Se a escola não promove esta revitalização do planejamento, talvez os professores possam liderá-la, se as relações de poder não tolherem a iniciativa.

Mas, sobre o texto ... não concordo com:
"É necessário desenvolver novas habilidades e competências para empregar as TIC na transmissão de conteúdos de sua disciplina."

Soa como se as TIC fossem dadas e inelutáveis e que caberia uma aceitação e adaptação por parte dos professores\alunos\escolas.
Para mim, a partir daquilo que for planejado, dentro das finalidades e objetivos da escola e da aprendizagem, e a partir de um conhecimento sobre os meios e suas possibilidades de por em prática esta aventura da aprendizagem é que selecionaremos aquilo que pode ajudar.

Ou seja, professor não tem de desenvolver habilidade e competência de usar nada para 'transmitir' conteúdo. (até porque penso não existir isso de transmitir conteúdo)

Habilidade e competência de 'uso' é muito pouco, é apenas 'instrumental'. O essencial é conhecer e compreender o que se mostra e o que se esconde nas TIC.

O prof Jarbas (do Boteco) traduziu um texto que expressa algumas ideias sobre as "competências e habilidades".
A pedagogia das competências foca em educar para a “empregabilidade” ou para a capacidade de adaptação as necessidades (imposições) do mercado, que no final é educar para e na precariedade.

:) mas tá comprido isso para um comentário. Este teu texto merecia um bom espaço de discussão.

bjs
Suzana
PS; já te mandei o convite do GWave para te entrevistar e estou esperando tu apareceres lá.

Franz disse...

Agradeço aos comentários, os quais vou pontuar a seguir.

- Ray Souza: Em educação o futuro está aqui e agora. Não tem essa de futuro bem próximo. Estamos vivendo ele. Eis porque o planejamento DEVE contemplar as TIC, já.
- Tati: COmo disse, gostei do jogo de palavras "média e mídia". Até parece uma brincadeira ou jogo com desinências. Extrapolo para a idéia de uma escola na idade média e uma sociedade na idade mídia. Acho a idéia interessante, não é?
- Roseli:Os professores estão perdidos sim. Os cursos de formação inicial ainda estão a reboque das mudanças provocadas pelas TIC.
- Eric: Fique à vontade para usar o texto.
- Suzana: Vc pode não concordar, mas ao logo da história, a escola sempre fez uso das TIC que cada época oferecia: cartazes, Jornal, revistas, rádio, tv, vídeo, slide etc.
As TIC sempre estiveram a serviço da escola, e os professores sempre manifestaram certa resistência a isso.
E é necessário que o professor tenha certas habilidades, e competências, para saber empregá-las com desembaraço e eficiência em sua disciplina.
Quanto a transmissão de conteúdos em sala de aula, ela existe sim, sempre que uma informaçao é trocada entre professor e aluno.
Agora, se o conteúdo/informação foi significativo/a, foi resiginificado ou propiciou a construção de conhecimento é que é, e deve ser, a questão principal.

Escola Raimundo Vera Cruz disse...

dentro dessa pespectiva o blog de nossa escola foi reativado, até então só elogios, abraços professor.

Silvana Nunes .'. disse...

É impossível nos dias de hoje trabalhar em sala de aula sem esse recurso maravilhoso que é a informática.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... aproveita a visita para desejar um bom final de semana.
Saudações Florestais !

Josete disse...

Oi Franz!
Cheguei um pouco atrasada na discussão, mas ainda a tempo de dá algum palpite nos comentários que li. Concordo perfeitamente que educadores em geral, para trabalhar com as TIC precisam sim, em primeiro lugar, se apropriar delas, e depois ter alguma habilidade para utilizar seus recursos e construir conhecimento. Fiquei apenas um pouco apreensiva quando li a palavra “transmissão”. Essa palavra deu a idéia de que o professor apenas transmite a informação, e não é competente suficiente para realizar sua tarefa de professor. Nesse sentido, vai contra nossas concepções de que a informação pela informação não produz conhecimento. Logo depois você menciona que habilidade é utilizar as TIC com desembaraço, e transmissão, é a troca que existe entre professor e aluno. Nesse caso ficarei mais tranqüila.
Também aproveito para agradecer a visita que fizeste ao meu blog, obrigada e grande abraço,
Josete

Franz disse...

OI, Silvana. SIm, tb. ouvi foi "assim que dizer". É impossível se oferecer, hoje, uma boa educação sem o uso das TIC.

Franz disse...

Josete, obrigado pela participação.

ademilde disse...

Realmente professor o senhor foi muito feliz em falar sobre a importância das Salas de Imformática nas escolas públicas e como elas podem ser uma ponte de possibilidades a todos os profissionais da educação que estão dispostos a se atualizarem com essas tecnologias para se enquadrarem no perfil de profissionais que vai atender plenamente as cobranças da sociedade atual.

Max Martins disse...

Excelente texto, professor!
Primeiro gostaria de parabenizá-lo pelo blog. Está muito bom.
Quanto ao texto em si, ainda vai dar muito o que falar esse assunto.
A tecnologia deve ser vista como uma grande aliada da educação. Pode, com certeza, facilitar muito na questão da aprendizagem.
Já presenciei cenas de resistência às ferramentas atuais. Muitos professores não se sentem à vontade perto da tecnologia.
Porém, parece que as coisas vão mudar definitivamente com o programa Um Computador por Aluno, do Governo Federal.
Confira a notícia nesse link: http://educacao.ig.com.br/us/2010/01/07/cce+vence+licitacao+para+compra+de+laptops+do+programa+um+computador+por+aluno+9265366.html
Com o andamento desse programa, não haverá saída: os professores serão obrigados a atualizar seus conhecimentos para ministrar suas aulas.
Tenho uma amiga professora de Geografia que fez um blog para interagir com a turma. Nele, os alunos podem tirar dúvidas, acessar outros links. Mesmo que não haja um debate em tempo real, os links apontam para páginas que podem esclarecer pontos sobre o conteúdo em andamento.
Achei muito boa a ideia.
Enfim, a escola terá que acompanhar o ritmo de outras áreas da sociedade, de modo que a Educação não se concretize como algo completamente fora de contexto.
Um forte abraço.

No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum