quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Sururu de capote

De repente o vento da saudade me trouxe um cheiro vindo de Maceió, nos anos finais da década de 1960: o cheiro de sururu de capote cozido em panela de barro. 

Imagem: matematicadeaula.blogspot.com
Não sei porque minha memória olfativa me levou nesse "revival", mas tais recordações me encheram a alma de paz. Revi a casinha tão pobre no Vergel do Lago; minha avó materna, que era benzedeira e sabia muitas histórias; minha mãe tão magra, mas tão forte e destemida, com seus cinco filhos, que levou de Nova Iguaçu, no Estado do Rio de Janeiro, para Maceió. 

Nessa época, em Maceió, eu morava com minha mãe e minha avó, mais dois irmãos e duas irmãs, numa pequena (pequena não, minúscula) casa com apenas 3 cômodos e cerca de 18m2. Nosso fogão era a carvão e de barro, feito dentro de um caixote de madeira suspenso por quatro pés. Nele minha avó preparava o sururu de capote, cozido na panela de barro já enegrecido, e usava uma colher feita da metade de um coco atravessada por uma vareta de pau, a guisa de cabo. Eu mesmo fiz uma, quando a primeira quebrou. Até hoje somos (eu e meus irmãos) apaixonados por sururu de capote, de preferência preparados numa penela de barro.


No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum