domingo, 15 de janeiro de 2012

Computação & Educação nas Nuvens

Você já ouviu falar em Computação nas Nuvens ou Cloud Computing? E Educação nas Nuvens?

Não? Bem, certamente você já ouviu alguém dizer que fulano "está nas nuvens", quando a pessoa está feliz; ou fulano vive com a "cabeça nas nuvens" quando é uma pessoa sonhadora, vive divagando, é desligada.

Então, computação nas nuvens pode ser quando estamos digitando algo no PC e nos sentimos felizes da vida, despreocupados e sonhadores? Claro que não! Embora eu me sinta "nas nuvens" quando recebo um e-mail de algum filh@ que mora noutra cidade, como de Keith em Salvador e Arcthur em Belo Horizonte, ou mesmo de Madaya noutro bairro aqui pertinho, isso não é, exatamente, cloud computing

A propósito de que essa postagem sobre Computação nas Nuvens? É que ontem recebi de presente do Arcthur um tablet (trazido por Madaya que, com a mãe, foi passar o Réveillon com ele em BH), e me lembrei de uma notícia que li ano passado, informando que o MEC distribuirá milhares de tablets para alunos de escolas públicas, em 2012 (sic). Essa lembrança puxou outras, como a de colégios que JÁ distribuem tablets para seus alunos e de colégios que INCLUEM um tablet na sua lista de material escolar.

E, aí, me lembrei de um tópico de discussão na Lista Blogs Educativos que tem o sugestivo título de "15 coisas obsoletas em educação até 2020", onde o Wilson Jr disse que a coisa mais obsoleta eram os Diários de Classe (e eu concordo) ou Cadernetas de Chamada, e a Andrea Castagini sugeriu usar tablets como um diário de classe, para lançar notas e registro das atividades do professor na sala de aula. Naturalmente que isso seria parte de um sistema criado pelas Secretarias de Educação e alimentado on-line. Coisa simplérrima, basta interesse e boa vontade política.

Então fiquei "nas nuvens", imaginando um ponto no futuro onde essa propriedade ubíqua das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação-TDIC colocassem a educação, e o processo ensino-aprendizagem, em qualquer local e a qualquer momento, tal como deve ser.

Esse cenário não é tão futurístico assim nem essa escola do futuro está tão distante. Tecnologia para isso já existe - embora no Brasil a infra-estrutura ainda seja deficitária -; falta, porém, a metodologia. É aí que entra a figura do professor como mediador. Não basta o estudante ter um tablet, laptop ou um netbook, sincronizar-se com seus contatos e compartilhar arquivos pela internet.

Será a qualidade da mediação do professor ante a complexidade dos processos de construção de conhecimento que a educação na nuvem possibilita, que promoverá o ansiado salto de qualidade da/na a educação brasileira. É por isso que é tão importante investir na formação de professores (formação inicial e continuada) para o uso das TDIC em sua práxis pedagógica, e garantir (exigir, talvez) que as ferramentas dessa formação sejas aplicadas na sala de aula.

Ah! Quer saber o que é computação nas nuvens? Leia a entrevista da professora Cybele Meyer, nossa amiga do Grupo Blogs Educativos, publicada no Jornal Tribuna do Planalto, clicando AQUI.
Para saber mais sobre Educação na Nuvem assista o vídeo a seguir


Leia mais sobre Computação nas nuvens em Conteúdos Educacionais (clique AQUI)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Rede Pós-EAD SENAC

A Patrízia Chermont, Gerente de EAD do SENAC, pede ao blogueiro para colaborar na divulgação de mais um curso EAD promovido pelo SENAC. Pedido feito, pedido atendido com satisfação.


Confira abaixo no flyer do curso ou acessando o site clicando AQUI.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

YouTube busca jovem cientista

Em outubro de 2011 o Youtube lançou um concurso mundial para selecionar cientistas entre estudantes de 14 a 18 anos. Trata-se do Youtube Space Lab (para visitar clique AQUI), que "faz parte de um programa do YouTube que consiste em disponibilizar acesso a conteúdos educacionais aos educadores", e tem entre seus parceiros a NASA (visite o site da NASA AQUI).
O site da European Space Agency-ESA, informa que "Em apenas sete semanas, estudantes de todo o mundo enviaram mais de 5500 propostas de experiências". O canal do Space Lab recebeu mais de 50 mil inscrições e até o momento foram feitas cerca de 38,5 milhões de visitas.

Por conta disso, o concurso foi estendido até meados de dezembro passado, e o resultado dos finalistas, previsto para sair esta semana (dia 04/01), ainda não foi divulgado. As votações começam dentro de 10 dias (a partir de 17/01) e os finalistas serão conhecidos a partir de 21 de fevereiro. Já os 2 vencedores só em 21 de março.

A competição é proibida para cidadãos de Cuba, Irã, Coréia do Norte e outros países sancionados pelos EUA. No Brasil, por causa de algumas "restrições legais" que o regulamento não esclarece, a participação de estudantes brasileiros não foi permitida. Por que o estudante brasileiro não pode participar, mas seu voto é solicitado?!.. Isso tira-nos um pouco do interesse no certame.

Educação no YouTube (Extraído do Site Inovação Tecnológica - Leia AQUI)

O Space Lab é uma componente da vasta oferta educacional do YouTube, onde estão incluídas, por exemplo, as conferências TED, em www.youtube.com/education, com a abordagem dos mais variados tópicos educacionais; www.youtube.com/teachers, que orienta os professores na utilização de vídeo na sala de aulas; e o YouTube for Schools, um programa piloto que tem como objetivo tornar o YouTube acessível a mais escolas.

"Como companhia preocupada com a próxima geração de cientistas que somos, lançamos o YouTube Space Lab para oferecer aos estudantes a extraordinária oportunidade de fazer a sua experiência no espaço," disse Zahaan Bharmal, responsável pelo marketing do Google, que é proprietária do YouTube

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O que não fazer no ano bissexto

O Que Não Fazer em 2012

Todo fim de ano é assim: o Ano Novo nos espera com uma nova atitude ou a gente espera uma nova atitude da gente, no ano que entra. Dá no mesmo. Daí, a gente faz a nossa lista de intenções para o novo ciclo de 12 meses, a lista das coisas mais importantes e decisões tomadas e juradas levar a cabo durante os próximos 365 dias, ou 366, visto que 2012 é bissexto.

Para organizar as tarefas que, na virada o ano, a gente promete cumprir no próximo, ganhamos novas agendas.  Normalmente minhas agendas chegam ao fim do ano com mais de 60% de suas páginas em branco: não sou muito organizado... Mas este ano prometi ser differente (digitei essa palavra com 2 "f" sem querer - foi erro mesmo - mas vou deixar assim pra ficar um "diferente" diferente. Hehehehee!...), e vou registrar tudo na minha nova agenda. O diabo é que, pós réveillon,não me lembro onde enfiei a danada!...

Mas não é sobre a lista do que fazer que esse post trata...é do que não fazer em 2012
                              


NÃO FAZER é Mais Difícil do que Parece...

A ideia eu vi no Blosque (leia AQUI), o excelente blog da Nospheratt que por sua vez copiou de outro blogueiro. Ou melhor, viu a ideia e nos deu sua leitura, tornou-a acessível a nosotros. O fato é que gostei da ideia. Muito interessante! Que nem a do "mesaniversário", o aniversário mensal - espécie de micro aniversário -, que um vizinho comemora para sua  primogênita, agora com 6 meses, e minha enteada com seu namorado há 1 ano e 7 meses, religiosamente. Ah! C'est L'amour!..

Como diz Nospheratt, não fazer pode ser mais difícil que fazer. Ou, às vezes,  pode ser até mais importante. Não sei se vai dar certo, mas não tentar é algo que não farei


Que coisas NÃO FAZER em 2012? Eis algumas que, certamente, farei.
1 - NÃO deixar o blog desatualizado (mês passado, muito atribulado, fiz apenas TRÊS postagens!).
2 - NÃO permitirei que o trânsito de Belém me deixe estressado.
3 - NÃO VOTAR em nenhum candidato, nas próximas eleições.

E você, amigo leitor, já pensou nisso, no que NÃO FAZER em 2012? 


Crédito da imagem: The New York Times
No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum