quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Um Blog, um Selo, um Amigo II


Minha amiga paraense Dani Banaion, do Blog BIOTRANSITANDO...., presenteou este blog com o selo "Blog Dorado" (não é "dourado"). Muito obrigado!

Segundo li no blog da Dani "a cor azul representa paz, profundidade e imensidão, enquanto a cor dourada ressalta a sabedoria, riqueza e a claridade das idéia".

Conforme manda o figurino devo indicar os blogs que, na minha opinião, também merecem tal selo.  Para esse selo são 15, mas neste momento indicarei apenas 7. Depois apontarei os restantes.

1 - Eu não entendo Biologia, excelente Blog do professor Fabiano, meu ex aluno no curso de Informática Educativa do NTE .
2 - Netescrita, blog da professora portuguesa Emilia Miranda,  que  mostra  sua práxis pedagógica e  os ricos trabalhos de seus alunos.
3 -  Saiba História, do  amigo carioca Aldinalzir. Recomendado para quem gosta de história.
4 - Rocio Rodi - Aprendências,  da professora Maria do Rocio, um blog com reflexões de uma eterna aprendiz.
5 - Educar Já, da amiga Cyblele Meyer, um blog que é referência.
6 - Alfabetização em Foco, blog colaborativo de professoras alfabetizadora do ES.
7 - Na Dança das Palavras, o bonito e elegante blog da Leonor Cordeiro.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

DORMI E ACORDEI NOUTRO LUGAR...

Essa postagem faz parte da blogagem coletiva para o mês de setembro de 2009, proposta pelo Blog VOU DE COLETIVO, cujo tema é "Dormir aqui e amanhecer em outro lugar".
Acesse o link para ver as demais postagens CLICANDO AQUI.

..........................................
DORMI E ACORDEI NOUTRO LUGAR...

Em casa as coisas corriam normalmente, mas eu sentia que algo estava se armando. Os sinais eram claros, embora eu ainda não os compreendesse perfeitamente. Havia uma espécie de tensão no ar, uma preocupação em meus pais que eu nunca sentira antes. Normalmente tão calmos, eles, de súbito, ficaram nervosos. E eu sabia que era por minha causa...

Desde que voltamos do médico minha mãe parecia mais preocupada comigo. Quando estávamos a sós percebia que ela ficava me observando, me estudando. Era como se me vigiasse. Disfarçadamente,também, a observava, silencioso. Minha impressão era que ela esperava que eu fizesse algo estranho a qualquer momento, que lhe desse um susto, pregasse uma peça qualquer. Logo eu, que sempre fui tão comportado. Será que agora metia medo em minha mãe?

Confesso que, ultimamente, eu estava passando por uma fase perturbadora, a qual não saberia descrever. Meu sono se tornara mais agitado, meus sonhos me assustavam. Pesadelos horríveis me assombravam. Nelguns eu era expulso de meu lar e condenado a sofrer num mundo adverso, sem proteção, sem segurança, sem conforto. Muitas vezes acordei minha mãe com meus gritos de medo e susto. Ela também se assustava, ficava preocupada com o que estivesse passando comigo. Contudo, mesmo que permanecesse intrigada com minhas súbitas agitações, seu jeito carinhoso e sua voz meiga domavam meus temores, restauravam minha tranquilidade, me acalmavam. Sempre.

As vezes ela falava comigo quando pensava que eu estava adormecido. Então eu ouvia sua voz soando longe, vinda lá do fundo de não sei onde. Nesses momentos eu ficava mais imóvel, concentrado nas suas palavras, na sonoridade de sua voz. Era capaz até de sentir o ‘cheiro’ daquela voz.

Naquele dia de outubro, eu senti que algo especial estava por vir. Podem dizer que era intuição, sexto sentido, premonição, sei lá. O fato é que eu sabia que algo iria acontecer, e isso mudaria tudo, mas tudo mesmo, na minha vida. A agitação de minha mãe e o nervosismo de meu pai só me levavam a confirmar minhas suspeitas: eles preparavam algo para mim. Pelo que entendi, me levariam para algum lugar. E, sinceramente, eu não desejava ir. Tentei dizer-lhes que estava tudo bem comigo, que não se preocupassem, mas eles não me deram ouvidos.

Tudo que eu queria era continuar no meu cantinho, mas a tensão reinante em casa foi num crescendo e acabou desabando sobre mim. Eu experimentava um misto de temor, de medo, de desespero, até que uma angústia profunda se apossou de minha alma O que meus pais iriam fazer comigo? A simples idéia me assustava terrivelmente. O que foi que eu fiz para, derrepente, me desagasalharem assim?

Busquei ajuda com alguns amigos que meus pais não conheciam. Aliás, eu nem poderia apresentá-los, mas posso garantir que sempre foram muito legais comigo. Compreendiam o que eu estava sentindo, me consolaram dizendo que era uma sensação normal nesses casos, que depois eu nem me lembraria dessa experiência traumática, que isso, que aquilo. Estiveram ao meu lado e me ajudaram a suportar o sofrimento e a dor daquele dia, e eu também sabia que por algum tempo iriam estar comigo.

Fui levado entre gritos, e em meio a tantos gritos ninguém escutava os meus. Meu pai praguejava, nervoso porque não encontrava a chave do carro; minha mãe gritava, apressando meu pai; minha avó tentava acalmar ambos, mas também estava contaminada pelo nervosismo geral. Meu avô chegou naquele instante e veio falar comigo. E ai, garotão? – disse-me ele. Enfim alguém me notava no meio daquela balbúrdia toda. Isso me trouxe um pouco de conforto, logo dissipado quando minha mãe afastou-o dizendo que já não aguentava mais.

Minha mãe, a pessoa que eu mais confiava, parecia querer me abandonar. Eu já não sentia mais o conforto de sua voz, nem seu carinho. Ela era apenas um monte de nervos em agonia. Pude perceber que ela estrava sofrendo profundamente. Havia dor no seu rosto, nos seus olhos, na sua voz. E tudo isso me atingia diretamente. Era como se eu também sentisse o mesmo que ela. Mas tarde alguém me diria que o nome disso é “empatia”, a tendência de sentir o que outra pessoa sente.

Momentâneamente, me esqueceram e se concentraram em minha mãe - acho que ela estava pior do que eu -. Levaram-na a um médico, que lhe deu um sedativo. E eu? A mim ninguém dava nada? Eu esteva ficando cansado de tudo. Queria dormir e acordar achando que tudo não passara de um sonho mau. Mas, enquanto minha mãe se acalmava um pouco, um turbilhão de sensações me envolvia, e fui tragado por ele. Parecia que eu nadava numa piscina quando, de repente, tiraram a tampa de um enorme escoadouro no fundo e a água, em redemoinho, me puxava para baixo. Eu lutava para subir, mas uma força maior me empurrava para o fundo. Cheguei a pensar que iria morrer naquele instante, ou que já estivesse morrendo.

Senti meu corpo sendo comprimido, esmagado. Eu resistia, mas meu esforço era inútil contra forças tão poderosas. Minha cabeça começou a doer mais que o resto do corpo. Latejava. Senti enjôo, tonturas. Em seguida outra parte começou a doer mais fortemente. Era no peito. Algo como se uma criatura viva estivesse varando a carne para sair. A dor me fez chorar, e meu choro contagiou a todos. Imediatamente, uma onda de ternura me envolveu. Senti aconchego,calor, afeto, carinho, amor...

Exausto, adormeci.

Quando acordei estava num lugar que nunca vira antes, cercado de pessoas e coisas estranhas. Naquele mundo esquisito uma coisa, uma única coisa permanecia minha velha conhecida: o cheiro da voz de minha mãe. Ela me pegou com infinita doçura, me colocou no seu colo e uma paz profunda me invadiu quando ouvi "Seja bem vindo, meu filho". Então, pela primeira vez, suguei o leito do seu peito.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Quando Um Blog dá Prazer?

Meu blog me dá prazer!

Ora, essa é uma frase que qualquer blogueiro pode dizer com facilidade e sinceridade, afinal manter um blog só vale a pena se ele for elemento de gozo e satisfação para seu criador, não é?

Ter mil visitas e centenas de comentários é motivo de contentamento e alegria para qualquer blogueiro, mas há também muita satisfação no simples fato de escrever suas reflexões em prosa e/ou verso, e postá-las.  Sejam elas lidas por uma pessoa ou por 1 milhão.

Muitas vezes uma única visita, um único comentário, nos brinda com um prazer e regozijo como se fora dezenas.  E, graças ao Criador, isso nos acontece com certa frequência. É quando um velho amigo descobre nosso blog e deixa um comentário, quando um parente que há muito não temos o prazer de encontrar registra sua visita, quando um comentário revela alguém que se torna um novo e perene amigo(a), quando um blog irmão nos brinda com um selo, quando alguém gosta do que escrevemos e nos prestigia como seguidor. 

Meu blog já me deu tudo isso, e fico imaginando que outras surpresas ele ainda me reserva. A mais recente foi me colocar em contato com um 'cabra' das Alagoas, de Maceió, primo e amigo de meu saudoso pai, Waldick Pereira. Falo de Cláudio Jucá Santos  (veja seu blog AQUI)

Ele acompanhou o namoro, noivado e casamento de meus pais. Quando nasci pegou-me no colo. Pouco meses depois nos mudamos para Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, e nunca mais o vi. Semana passada leio um comentário do Jucá Santos neste blog, trocamos emails, falamos por telefone.  Eu, aos 56 e ele com 77 somos dois "velhos" amigos que este blog (re)uniu.

Ainda farei outras postagens tratando dos resultados desse reencontro.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

UMA BOA APRESENTAÇÃO EM SLIDE É UM OBJETO DE APRENDIZAGEM

Quem de nos, usuários de informática, ainda não usou o PowerPoint ou seu similar? Bem poucos, com certeza.

De empresários bem sucedidos a candidatos a emprego, de estudantes do Ensino Fundamental a Pós-doutorandos, de professores e pesquisadores a cientistas e políticos, de engenheiros a médicos, de guerreiros a pacifistas, todos, em algum momento, necessitaram fazer algum tipo de apresentação com recursos de multimídia. E quem ainda não usou seguramente terá que fazer uso delas, se quiser "vender bem o seu peixe".

Eu trabalho com formação de professores nos Núcleos de Informática Educativa-NTE de Belém, e frequentemente encontro professores que nunca empregaram um editor de apresentações em suas aulas, muito embora todos já tenham assistido pelo menos uma palestra em que se usou o PowerPoint.

Nos cursos e oficinas que realizamos nos NTE, trabalhamos com a plataforma Linux Educacional e reservamos 2 dias para apresentar o Impress. Sabemos que é pouco tempo para que o/a cursista se aproprie, de forma eficiente, dos recursos dessa ferramenta, contudo é suficiente para ele/ela perceber o quanto pode melhorar suas aulas utilizando uma apresentação digital e multimídia.

Como parte de nossa metodologia, cada cursista deve escolher um conteúdo de sua disciplina e elaborar uma aula que, necessariamente, deve ser ministrada com os recursos e ferramentas apresentados.

É nessa hora que percebemos o quanto é difícil para muitos professores elaborar uma aula boa e eficiente, se for fora do velho livro didático e do secular quadro na parede.

Isso porque, ao elaborar uma apresentação multimidiática sobre um conteúdo discilinar, é comum o professor querer seguir a mesma estrutura de distribuição da informação de quando sua aula é no quadro de giz. Eles não sabem destacar os pontos mais relevantes da aula num slide. Não sabem como enriquecê-los com as imagens apropriadas, e muitas vezes não sabem relacionar uma imagem ao texto. Na última oficina uma professora usou uma imagem do nosso sistema solar para ilustrar uma apresentação sobre Indice de Massa Corpórea...

Outros acham que fica bonito encher os slides de efeitos e imagens que em nada contribuem para facilitar a compreensão da mensagem. Ao contrário, dispersam a atenção e confundem o espectador. É irritante, por exemplo, ficar esperando as letras caírem, uma por uma, para formar uma frase; ou ver uma imagem se movimentar pela tela até parar.

Creio que alguns colegas ainda não perceberam que a informática trouxe novas formas de se trabalhar e transmitir informações, de construir conhecimentos, de ensinar, de aprender.

Além de conhecimentos técnicos é preciso bom senso e sensibilidade para elaborar uma boa apresentação. E é preciso entender que uma apresentação bem elaborada, perfeita, pode ser/é um excelente Objeto de Aprendizagem.

No último número de Super Interessante há uma ótima materia sobre PowerPoint, com 10 dicas para fazer uma apresetação perfeita. Confira abaixo ou Clique AQUI para ler.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

I Encontro Nacional do Software Público Brasileiro

Caros amigos e leitores, recebi da Coordenação do Portal do Software Público Brasileiro a mensagem abaixo, a qual transcrevo aqui no intuito de colaborar com a divulgação do I Encontro Nacional do Software Público Brasileiro. Vamos à Brasília.
......................................................... 
Prezados(as) Participantes do Portal SPB
Queremos dividir com todos os participantes e comunidades do Portal SPB um conjunto de resultados e de boas notícias, que nos trouxeram muita alegria com o andamento do projeto nesses dois anos de existência, contando inclusive com um pronunciamento recente do presidente da República (1).
No mês de agosto atingimos mais de 50 mil cadastrados válidos e 30 soluções disponibilizadas. Você pode conferir um resumo de cada solução no endereço http://www.softwarepublico.gov.br/ListaSoftwares. Certamente alguma das soluções poderá atender alguma necessidade sua ou da organização onde trabalha.
O ambiente dedicado ao grupo de interesse para os municípios brasileiros disponibilizou um novo lay-out para favorecer mais a interação com os usuários. Confira o novo desenho do 4CMBr no endereço http://www.softwarepublico.gov.br/4cmbr/xowiki/Principal
O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento-PNUD, apresentou a proposta de “exportação” do Software Público, como pode ser visto no endereço http://www.softwarepublico.gov.br/news-item49. Tal informação foi reforçada pelo presidente LULA quando disse que “Iniciativas deste tipo fizeram com que ganhássemos reconhecimento internacional no que se refere ao software livre”.
Foi lançado o ambiente dedicado a qualidade de software, projeto financiado pela FINEP/Ministério da Ciência e Tecnologia e coordenado pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer-CTI. Você pode aderir a comunidade pelo endereço http://www.softwarepublico.gov.br/ver-comunidade?community_id=11283517
E por último vamos organizar um evento no mês de outubro, na cidade de Brasília, totalmente dedicado aos projetos que fazem parte do Portal, será o I Encontro Nacional do Software Público Brasileiro. A notícia pode ser conferida no endereço http://www.softwarepublico.gov.br/ver-comunidade?community_id=11283517
Sabemos que o trabalho colaborativo se caracterizou como uma marca do ambiente do Portal SPB, mas é importante destacar que estamos gerando e distribuindo riqueza de forma coletiva para sociedade brasileira.
Ao dividirmos tais conquistas com cada participante do Portal, pretendemos agradecer a todos e reforçar que um bem público é um direito de todos e que ao construírmos um software coletivamente dentro do Portal estamos beneficiando de forma igualitária a todos os envolvidos no ecossistema de uso e produção do software público.
Parabéns a todos e até outubro! Momento em que poderemos comemorar presencialmente durante o I Encontro Nacional do Software Público Brasileiro.
Coordenação Geral do Portal SPB

[1] parte do pronunciamento do presidente LULA na abertura do CONSEGI: “Entre os benefícios do Portal do Software Público e dos ambientes vinculados a ele está uma série de programas voltados às mais de 5.560 prefeituras municipais do nosso país. É o caso de aplicativos criados para a gestão escolar, a gestão municipal e o atendimento ao público, entre outros.

Iniciativas deste tipo fizeram com que ganhássemos reconhecimento internacional no que se refere ao software livre. E é com orgulho que hoje podemos dizer, com base nas estatísticas dos mecanismos de busca na Internet, que tem mais gente no exterior pesquisando informações na rede sobre nossos programas abertos do que sobre o nosso futebol”.

discurso completo do presidente pode ser lido no endereço:
No TOP BLOG 2011 ficamos entre os 100 melhores da categoria. Pode ser pouco para uns, mas para mim é motivo de orgulho e satisfação.
Sou muito grato a todos que passaram por essa rua que é meu blog e deram seu voto. Cord ad Cord Loquir Tum